Gases intestinais: o que os causa e como os eliminar

Os gases intestinais fazem parte do processo normal de digestão. Livrar-se do excesso de gases, arrotando ou eliminar gases através de flatulência, também é normal.

A dor e desconforto abdominal pode ocorrer se os gases ficarem presos ou não se moverem bem pelo seu sistema digestivo.

Um aumento na quantidade de gases ou na dor abdominal pode ser resultado da ingestão de alimentos com maior probabilidade de produzir gases. Frequentemente, pequenas mudanças nos seus hábitos alimentares pode diminuir a produção de gases.

Certos distúrbios do sistema digestivo, como a síndrome do intestino irritável ou a doença celíaca, podem causar – além de outros sinais e sintomas – um excesso de gases, inchaço e dores abdominais.

Quais são os sintomas de gases?

Em primeiro lugar, é importante saber que existem dois tipos de gases, os estomacais e os intestinais. Em ambos os casos há alguns sintomas comuns:

  • Arrotos
  • Barriga inchada
  • Desconforto abdominal

Estes sintomas são comuns, especialmente após uma grande refeição ou se falar muito durante as refeições, e é provável que fique melhor depois de libertar gases ou arrotar.

De notar: A maioria das pessoas expele gases até 20 vezes por dia. Portanto, embora possa ser inconveniente ou constrangedor, arrotar e liberar gases raramente também não é bom sinal e pode mesmo ser sinal de um problema de saúde.

Sintomas de gases estomacais

Quando se acumulam no estômago, os sintomas são:

  • Arrotos frequentes
  • Estômago inchado
  • Falta do apetite
  • Azia na garganta
  • Dor no peito
  • Sensação de falta de ar

É possível diminuir os gases no estômago se evitar mascar chiclete, comer mais devagar e evitar falar tanto durante as refeições para que não entre ar no tubo digestivo durante a alimentação.

Sintomas de gases intestinais

Quando se acumular no intestino, os sintomas são:

  • Dores abdominais intensas
  • Inchaço abdominal
  • Barriga dura
  • Flatulência
  • Prisão de ventre
  • Cólica intestinal

A intensidade destes sintomas pode variar de acordo com a sensibilidade de cada pessoa à dor abdominal e com a quantidade de gases presente no sistema digestivo.

Quais são as causas de gases?

Os gases no estômago são causados ​​principalmente por engolir ar quando come ou bebe. A maior parte dos gases estomacais é libertada quando arrota.

Os gases intestinais são formados no intestino grosso quando as bactérias fermentam carboidratos, fibras, alguns amidos e alguns açúcares que não são digeridos no intestino delgado. As bactérias também consomem parte desse gás, mas o excesso irá causar flatulência.

Alimentos que causam gases

Alimentos como o feijão e brócolos têm uma grande quantidade de fibras e carboidratos que são fermentados durante a digestão, causando uma maior produção de gases intestinais, assim como a flatulência e inchaço quem vem com isso. A intolerância do intestino a estes alimentos varia de pessoa para pessoa.

Um nutricionista pode fazer uma avaliação à sua situação específica e identificar os alimentos aos quais você é menos tolerante, elaborando um plano adaptado às suas necessidades.

No entanto, por vezes não é necessário remover esse tipo de alimento da dieta e basta simplesmente reduzir a quantidade e a frequência com que são ingeridos para que o corpo seja capaz de tolerá-los, diminuindo a produção de gases.

Uma dieta saudável requer muita variedade. Alimentos que tendem a produzir grandes quantidades de gases intestinais também contêm nutrientes essenciais e não devem ser eliminados. Limitar seu consumo é uma opção melhor.

Exemplos de alimentos que comumente causam gases incluem:

  • Laticínios – como leite, se houver intolerância à lactose
  • Frutas secas – passas e ameixas
  • Frutas – maçã, damasco, pêssego e pêra
  • Alimentos ricos em fibras insolúveis – particularmente sementes e cascas
  • Leguminosas – feijão, ervilha, grão de bico, soja e nozes
  • Vegetais – cenoura, berinjela, cebola, couve de Bruxelas e repolho

Outros fatores dietéticos

Outros fatores dietéticos que podem contribuir para o aumento de gases intestinais incluem:

  • Bebidas carbonatadas –  beber refrigerantes e cerveja
  • Hábitos alimentares – como comer muito rápido, beber com uma palinha, mascar chicletes ou falar enquanto mastiga resultam em mais ar engolido
  • Suplementos de fibras – suplementos contendo psyllium ou outras fibras dietéticas
  • Substitutos de açúcar – adoçantes artificiais, como o sorbitol, o manitol e o xilitol, encontrados em alguns alimentos e bebidas sem açúcar

Condições médicas

As condições médicas que podem aumentar os gases intestinais, distensão abdominal ou dores abdominais incluem o seguinte:

  • Doença inflamatória do intestino – O excesso de gás costuma ser um sintoma de doenças intestinais crônicas, como diverticulite, colite ulcerosa ou doença de Crohn
  • Supercrescimento bacteriano do intestino delgado – Um aumento ou alteração das bactérias no intestino delgado pode causar excesso de gases, diarréia e perda de peso
  • Intolerâncias alimentares – Pode ocorrer gás ou inchaço se o sistema digestivo não conseguir se decompor e absorver certos alimentos, como o açúcar dos laticínios (lactose) ou proteínas como o glúten do trigo e outros grãos
  • Constipação – A constipação pode dificultar a passagem dos gases

Quando deve ver um médico?

Deve consultar um médico se os gases forem tão persistentes ou fortes que interfiram com a sua capacidade de funcionar bem na vida diária.

Gás ou dores acompanhadas por outros sinais ou sintomas podem indicar condições mais graves. Consulte o seu médico se sentir algum destes sinais ou sintomas adicionais:

  • Fezes ensanguentadas
  • Mudança na consistência das fezes
  • Mudança na frequência de defecação
  • Perda de peso
  • Constipação ou diarreia
  • Náuseas ou vómitos persistentes ou recorrentes

Procure atendimento imediato se tiver:

  • Dores abdominais prolongadas
  • Dores no peito

Diagnóstico médico

O seu médico provavelmente determinará o que está a causar o gás e as dores com base nos seguintes fatores:

  • O seu histórico médico
  • Uma revisão dos seus hábitos alimentares
  • Um exame físico

Durante o exame físico, o médico pode tocar no seu abdómen para determinar se há alguma sensibilidade e se algo parece anormal. Ouvir o som do abdómen com um estetoscópio pode ajudar o médico a determinar se o trato digestivo está a funcionar bem.

Dependendo do seu exame e da presença de outros sinais e sintomas – como perda de peso, sangue nas fezes ou diarreia – o seu médico pode solicitar exames de diagnóstico adicionais.

Tratamento de gases

Se as dores abdominais forem causadas por outro problema de saúde, o tratamento da doença subjacente pode oferecer alívio. Caso contrário, gases intestinais são geralmente tratados com medidas dietéticas, modificações no estilo de vida ou medicamentos sem prescrição.

Embora a solução não seja a mesma para todos, com um pouco de tentativa e erro, a maioria das pessoas consegue encontrar algum alívio.

Dieta

Mudanças na dieta podem ajudar a reduzir a quantidade de gases que o seu corpo produz ou ajudar os gases a moverem-se mais rapidamente pelo sistema.

Manter um diário de sua dieta ajudará o seu médico e você a determinar as melhores opções para mudanças na sua dieta. Pode ser necessário eliminar alguns alimentos ou comer porções menores de outros.

Reduzir ou eliminar os seguintes fatores dietéticos pode melhorar os sintomas:

  • Alimentos ricos em fibras – Alimentos ricos em fibras que podem causar gases incluem feijão, cebola, brócolos, couve de Bruxelas, repolho, couve-flor, alcachofra, aspargo, pêra, maçã, pêssego, ameixa, trigo integral e farelo.  Pode experimentar quais alimentos o afetam mais. Você pode evitar alimentos ricos em fibras por algumas semanas e, gradualmente, adicioná-los de volta. Fale com o seu médico ou nutricionista para garantir que mantém uma ingestão saudável de fibra alimentar
  • Laticínios – Reduzir os laticínios de sua dieta pode diminuir a quantidade de gases. Você também pode experimentar os laticínios sem lactose ou tomar produtos lácteos suplementados com lactase para ajudar na digestão
  • Substitutos do açúcar – Elimine ou reduza os substitutos do açúcar ou tente um substituto diferente
  • Alimentos fritos ou gordurosos – A gordura dietética retarda a eliminação dos gases dos intestinos. Corte o consumo de alimentos fritos ou gordurosos
  • Bebidas gaseificadas – Evite ou reduza a ingestão de bebidas carbonatadas
  • Suplementos de fibra – Se usa um suplemento de fibra, converse com seu médico sobre a quantidade e o tipo de suplemento que é melhor para si
  • Água – Para ajudar a prevenir a constipação, beba água com as refeições, ao longo do dia e com os suplementos de fibras

Remédios sem receita médica que podem ajudar

Os produtos a seguir podem reduzir os sintomas para algumas pessoas:

  • Alfa-galactosidase – Ajuda a quebrar os carboidratos do feijão e outros vegetais. Você toma o suplemento antes de comer uma refeição.
  • Suplementos de lactase – Ajudam a digerir o açúcar dos laticínios (lactose). Isso reduz os sintomas de gases se você for intolerante à lactose. Converse com seu médico antes de usar suplementos de lactase se estiver grávida ou amamentando.
  • Simeticone – Ajuda a quebrar as bolhas de gás e pode ajudar a passar pelo trato digestivo. Existem poucas evidências clínicas de sua eficácia no alívio dos sintomas de gases.
  • Carvão ativado – Ingerido antes e depois de uma refeição pode reduzir os sintomas, mas as pesquisas não mostraram um benefício claro. Além disso, pode interferir na capacidade do corpo de absorver medicamentos. O carvão pode manchar o interior da boca e as roupas.

Estilo de vida e remédios caseiros

Fazer mudanças no estilo de vida pode ajudar a reduzir ou aliviar o excesso de gases e a dor abdominal.

  • Experimente porções mais pequenas – Muitos dos alimentos que podem causar gases fazem parte de uma dieta saudável. Experimente comer porções mais pequenas de alimentos problemáticos para ver se seu corpo consegue lidar com uma porção menor sem criar excesso de gases
  • Coma devagar, mastigue bem a comida e não engula – Se você tiver dificuldade em desacelerar, coloque o garfo ao lado do prato entre cada mordida
  • Evite mascar chicletes, chupar rebuçados e beber por palhinhas – Essas atividades podem fazer com que você engula mais ar
  • Verifique a sua dentadura – Próteses mal ajustadas podem fazer com que você engula um excesso de ar ao comer e beber. Consulte seu dentista se ela não estiver a encaixar corretamente.
  • Não fume – Fumar pode aumentar a quantidade de ar que engole. Fale com o seu médico se precisar de ajuda para parar.
  • Exercício – O exercício regular reduz o risco de constipação, o que pode impedir a liberação de gases intestinais.

Se o cheiro dos gases preocupa, limitar os alimentos ricos em compostos que contêm enxofre – como brócolos, couve de Bruxelas, repolho, couve-flor, cerveja e alimentos ricos em proteínas – pode reduzir os odores característicos.

Almofadas, roupas íntimas e almofadas contendo carvão também podem ajudar a absorver odores desagradáveis.

Preparação para a sua consulta médica

Antes de consultar um médico, esteja preparado para responder às seguintes perguntas:

  • Há quanto tempo notou um aumento de gases e dores abdominais?
  • A dor passa ou melhora quando arrota ou expele gases?
  • Quantas vezes expele gases por dia?
  • Certos alimentos parecem desencadear os seus sintomas?
  • Adicionou novos alimentos ou bebidas à sua dieta recentemente?
  • Que medicamentos ou suplementos dietéticos você toma?
  • Tem náuseas ou vómitos?
  • Perdeu peso sem querer?
  • Mudou seus hábitos intestinais?
  • Bebe refrigerantes ou outras bebidas gaseificadas?
  • Come alimentos com substitutos do açúcar?
  • Costuma mascar chicletes, chupa rebuçados ou bebe com palhinha?

O que pode fazer sobre isto

Mantenha um diário do que você come e bebe, quantas vezes por dia expele gases e quaisquer outros sintomas que sentir. Traga o diário para a sua consulta. Isto pode ajudar o seu médico a determinar se há uma conexão entre suas dores abdominais e a sua alimentação.

Emilia
Olá! O meu nome é Emilia. Sou a fundadora do Guia da Saúde e a pessoa responsável por colocar no website os artigos de informação criados pela nossa fantástica equipa de médicos, nutricionistas, fisioterapeutas e personal trainers. Em conjunto, temos largos anos de experiência que pomos em prática para lhe disponibilizar as melhoras dicas possíveis nos mais diversos tópicos de saúde.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Segue-nos nas redes sociais:

4,045FãsCurtir
48SeguidoresSeguir