Nova variante do coronavírus: o que sabemos?

A rápida disseminação de uma nova variante do coronavírus foi responsabilizada pela introdução de restrições mais severas para milhões de pessoas em Inglaterra, Escócia e País de Gales, e muitos países proibiram viagens para o Reino Unido.

Então, como é que esta nova variante passou de inexistente para a forma mais comum do vírus em algumas partes de Inglaterra em questão de meses?

Os conselheiros do governo britânico para novas infecções afirmam ter “alta” confiança de que esta variante tem maior capacidade de transmissão do que outras variantes.

Todo o trabalho está num fase inicial, contém grandes incertezas e uma longa lista de perguntas sem resposta. Os vírus sofrem mutações constantemente e é vital manter o foco para perceber se o comportamento do vírus está a mudar.

Porque é que esta nova variante do coronavírus está a causar preocupação?

Três coisas que causam apreensão estão a acontecer simultaneamente:

  • Esta variante está a substituir rapidamente outras versões do vírus
  • Tem mutações que afetam parte do vírus provavelmente importantes
  • Algumas dessas mutações já demonstraram em laboratório uma maior capacidade do vírus de infectar células

Estes fatores juntam-se para que o vírus se possa se espalhar mais facilmente.

No entanto, não temos certeza absoluta. Novas variantes podem-se tornar mais comuns simplesmente por estar no lugar certo na hora certa – como Londres, que tinha apenas restrições de nível dois até recentemente.

Mas a justificação para as restrições de nível quatro são, em parte, reduzir a disseminação da nova variante.

“Testes de laboratório são necessários, mas podemos esperar semanas ou meses para ver os resultados e tomar medidas para limitar a propagação? Provavelmente não nas circunstâncias atuais.”, disse o professor Nick Loman, do Covid-19 Genomics UK Consortium.

Quanto mais rápida é a propagação?

Foi detectado pela primeira vez em setembro. Em novembro, cerca de um quarto dos casos em Londres eram a nova variante. Isso atingiu quase dois terços dos casos em meados de dezembro.

Pode ver como a variante (a laranja) passou a dominar os resultados dos centros de análise (neste caso o como Milton Keynes Lighthouse Laboratory), aqui:

Os matemáticos têm calculado os números da transmissão de diferentes variantes na tentativa de calcular a vantagem que esta pode ter, mas separar o que é causado pelo comportamento das pessoas e o que é devido ao vírus é difícil.

Os dados citados pelo primeiro-ministro britânico Boris Johnson indicam que a variante pode ser até 70% mais transmissível. Ele disse que isso pode estar aumentando o número R – que indica se uma epidemia está crescendo ou diminuindo – em 0,4.

Esse número de 70% apareceu numa apresentação do Dr. Erik Volz, do Imperial College de Londres. Durante a palestra, ele disse: “É realmente muito cedo para dizer … mas pelo que vimos até agora, está a crescer muito rapidamente, está a crescer mais rápido do que variante original alguma vez cresceu, por isso é importante ficar de olho nisto.”

Não há um número certo de quanto mais infecciosa a nova variante do coronavírus pode ser. Alguns cientistas disseram que há números muito mais altos e outros muito mais baixos do que 70%, mas ainda há dúvidas sobre se esta variante é mesmo mais infecciosa.

“A quantidade de evidências em domínio público é lamentavelmente inadequada para obter opiniões fortes ou firmes sobre se o vírus realmente aumentou a transmissão”, disse o professor Jonathan Ball, virologista da Universidade de Nottingham.

Até onde se propagou?

Acredita-se que a variante surgiu num paciente no Reino Unido ou foi importada de um país com menor capacidade de monitorar as mutações do coronavírus.

A variante pode ser encontrada em todo o Reino Unido, exceto na Irlanda do Norte, mas está fortemente concentrada em Londres, sudeste e leste da Inglaterra.

Dados da Nextstrain, que tem monitorado os códigos genéticos das amostras virais em todo o mundo, sugerem que casos na Dinamarca e na Austrália vieram do Reino Unido. A Holanda também relatou casos.

Uma variante semelhante que surgiu na África do Sul compartilha algumas das mesmas mutações, mas parece não estar relacionada a esta.

Isto já aconteceu antes?

Sim.

O vírus que foi detectado pela primeira vez em Wuhan na China, não é o mesmo que se encontra na maior parte do mundo atualmente.

mutação D614G surgiu na Europa em fevereiro e tornou-se a forma globalmente dominante do vírus.

Outra, chamada A222V, espalhou-se pela Europa e estava relacionado com as férias de verão das pessoas em Espanha .

O que sabemos sobre as novas mutações?

Uma análise inicial da nova variante foi publicada e identifica 17 alterações potencialmente importantes .

Houve mudanças na proteína S (spike) – esta é a chave que o vírus usa para abrir a porta de entrada para as células do nosso corpo.

Uma mutação chamada N501Y altera a parte mais importante do proteína S, conhecida como “domínio de ligação ao receptor”.

É aqui que o proteína S faz o primeiro contato com a superfície das células do nosso corpo. Quaisquer alterações que tornem mais fácil a entrada do vírus provavelmente serão uma vantagem.

“Parece e cheira a uma adaptação importante”, disse o professor Loman.

A outra mutação – uma deleção H69 / V70, na qual uma pequena parte da proteína S é removida – já havia surgido várias vezes antes, como na infeção dos visons na Dinamarca.

O trabalho do Prof Ravi Gupta da Universidade de Cambridge sugeriu que essa mutação duplica a capacidade de transmissão em experimentos de laboratório. Estudos do mesmo grupo sugerem que a exclusão torna os anticorpos do sangue dos sobreviventes menos eficazes no ataque ao vírus .

O professor Gupta disse: “Está aumentando rapidamente, é isso que preocupa o governo, estamos preocupados, a maioria dos cientistas estão preocupados.”

De onde é que a nova variante vem?

A nova variante do coronavírus é excepcionalmente altamente mutada.

A explicação mais provável é que a variante surgiu num paciente com o sistema imunológico enfraquecido, incapaz de vencer o vírus.

Em vez disso, o seu corpo tornou-se um terreno fértil para o vírus sofrer mutações.

Isso torna a infecção mais mortal?

Não há evidências que sugiram que sim, embora isso precise de ser monitorado.

Porém, apenas aumentar a transmissão já seria suficiente para causar problemas aos hospitais.

Se a nova variante significa que mais pessoas são infectadas mais rapidamente, isso, por sua vez, leva a mais pessoas necessitarem de tratamento hospitalar.

As vacinas funcionarão contra a nova variante?

Quase certamente sim, pelo menos por enquanto.

Todas as três vacinas principais desenvolvem uma resposta imunológica contra o proteína S existente, e é por isso que surge a pergunta.

As vacinas treinam o sistema imunológico para atacar várias partes diferentes do vírus, portanto, mesmo que parte da proteína S tenha sofrido mutação, as vacinas ainda devem funcionar.

“Mas se deixarmos adicionar mais mutações, começa a ser mais preocupante. Este vírus está potencialmente num caminho de escape da vacina, e começou a dar os primeiros passos nesse sentido.”, disse o professor Gupta.

O escape da vacina acontece quando o vírus muda tanto que evita de todo o efeito da vacina e continua a infectar as pessoas. Isto pode ser o elemento mais preocupante do que está a acontecer com o vírus.

Essa variante é apenas a mais recente a mostrar que o vírus se continua a adaptar à medida que infecta cada vez mais pessoas.

Uma apresentação do Prof David Robertson, da Universidade de Glasgow na sexta-feira, concluiu: “O vírus provavelmente será capaz de gerar mutações que a vacina não previne“.

Isso colocaria-nos numa posição semelhante à da gripe, em que as vacinas precisam de ser atualizadas regularmente. Felizmente, as vacinas que temos são muito fáceis de ajustar.

Emilia
Olá! O meu nome é Emilia. Sou a fundadora do Guia da Saúde e a pessoa responsável por colocar no website os artigos de informação criados pela nossa fantástica equipa de médicos, nutricionistas, fisioterapeutas e personal trainers. Em conjunto, temos largos anos de experiência que pomos em prática para lhe disponibilizar as melhoras dicas possíveis nos mais diversos tópicos de saúde.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Segue-nos nas redes sociais:

3,843FãsCurtir
45SeguidoresSeguir