Visão Geral da Vacina da AstraZeneca-Oxford contra a COVID-19

Enquanto alguns fabricantes de vacinas estão a usar novas abordagens para combater a doença coronavírus 2019 (COVID-19), outros estão a recorrer a métodos testados e comprovados para acabar com a pandemia.

A AstraZeneca e a Universidade de Oxford têm trabalhado numa vacina baseada em adenovírus, ChAdOx1 nCoV-19. A vacina usa um adenovírus modificado – o vírus que causa o resfriado comum – que contém material genético do vírus SARS-CoV-2.

A vacina de vetor adenoviral recombinante foi desenvolvida rapidamente, porque essa tecnologia de vacina existe há décadas. Oxford estava a estudar vacinas baseadas em adenovírus para uma série de outras doenças como o vírus Zika quando o COVID-19 surgiu.

Os cientistas adaptaram um adenovírus enfraquecido de chimpanzé para desenvolver a vacina, e o ensaio de fase 1 começou em abril de 2020, com mais de 1.000 vacinações administradas no Reino Unido. 1

Os resultados do ensaio de fase 3 foram publicados no início de dezembro 2  e investigaram o quão bem a vacina funcionou em quase 24.000 pessoas com mais de 18 anos em quatro grupos de ensaio no Reino Unido, Brasil e Sul África.

Tem havido alguma controvérsia em torno desta vacina, com discrepâncias de dosagem em alguns grupos de estudo, e um movimento da Administração de Alimentos e Medicamentos (FDA) dos EUA para interromper o teste por causa de uma doença inexplicável. 3 

Não há nenhuma reunião agendada ainda sobre uma autorização de uso de emergência pelo FDA, e o ensaio clínico dos EUA está agendado para durar até setembro de 2021. 4

A 27 de agosto de 2020, a União Europeia adquiriu 300 milhões de doses desta vacina.

Enfermeira a encher vacina

Como funciona?

A vacina AstraZeneca-Oxford é uma vacina de vetor adenoviral recombinante.

As vacinas recombinantes usam um pequeno pedaço de material genético de um patógeno, como o SARS-CoV-2, para desencadear uma resposta imunológica.

Uma parte específica do vírus pode ser direcionada, e essas vacinas geralmente são seguras para uso em uma grande população de pessoas – mesmo aquelas com problemas crônicos de saúde ou pessoas imunocomprometidas.

A vacina AstraZeneca-Oxford é uma vacina de adenovírus recombinante que usa um patógeno vivo. Uma desvantagem das vacinas de vetor adenoviral recombinante é que as doses de reforço podem ser necessárias ao longo do tempo. Exemplos de tipos semelhantes de vacinas recombinantes (que não usam patógenos vivos) são vacinas pneumocócicas e vacinas para doença meningocócica. 5 

Embora as vacinas recombinantes sejam comuns, a única vacina à base de adenovírus desse tipo disponível no mercado é a vacina contra a raiva. As vacinas de adenovírus podem representar alguns problemas, visto que o adenovírus é tão comum que a vacina pode não ser tão eficaz uma vez que as doses de reforço são administradas, ou que algumas pessoas podem já ter imunidade ao vírus usado na vacina. 6

A vacina AstraZeneca-Oxford foi testada usando duas doses administradas com cerca de um mês de intervalo. A dosagem usada nos ensaios não é clara – com diferentes relatos das mudanças de dosagem descobertos pela primeira vez pelo serviço de notícias Reuters.

Os repórteres da agência de notícias receberam duas respostas diferentes da AstraZeneca e Oxford sobre se um subgrupo no braço do estudo no Reino Unido recebeu meias doses da vacina propositalmente ou por acidente. A discrepância foi descoberta depois dos resultados preliminares serem publicados. 7

Quão eficaz é?

Seja por acidente ou propositalmente, a mudança na dosagem parece ter sido sorte.

De acordo com o relatório do ensaio, a vacina AstraZeneca-Oxford é cerca de 70% eficaz em média. No entanto, essa média foi calculada depois que uma taxa efetiva de 62% foi observada em pessoas que receberam a dose completa da vacina em comparação com 90% da eficácia naquelas que receberam a meia dose.

Revisões adicionais estão em andamento e ainda não é conhecida a 100% a razão do porquê da meia dose da vacina ter funcionado melhor do que uma segunda dose completa.

Quando estará disponível?

Se e quando a vacina estará disponível é uma grande questão.

A AstraZeneca preparou as informações de distribuição quando os resultados preliminares foram divulgados, mas os argumentos sobre se a metade da dosagem da vacina foi intencional, assim como uma pausa no ensaio por questões de segurança podem ter retardado o progresso da vacina.

A empresa disse que os testes ainda estão em andamento em todo o mundo, mas que – com aprovação regulamentar pendente – até 3 bilhões de doses podem estar disponíveis em 2021. 8  Vários países já encomendaram doses da vacina.

Uma vez disponível, a vacina pode ser distribuída mais facilmente do que algumas outras opções. Em vez das temperaturas extremamente baixas requeridas pela vacina da Pfizer-BioNTech, a vacina AstraZeneca-Oxford exigirá apenas refrigeração normal e está estimada costar cerca de 3-4€ por dose. 9

Quem pode receber a vacina AstraZeneca?

O ensaio clínico inicial para a vacina AstraZeneca-Oxford focou-se em pessoas de 18 a 55 anos, e novos ensaios com pessoas com mais de 55 anos começaram em agosto. Houve testes envolvendo crianças, mas esse grupo foi removido dos dados do teste em meados de dezembro. AstraZeneca e Oxford não fizeram nenhuma declaração sobre a mudança. 4

Efeitos secundários e reações adversas

Geralmente, os efeitos secundários das vacinas COVID-19 incluem dor no braço, inchaço e vermelhidão onde a vacina foi injetada. Houve outras reações adversas relatados, incluindo uma que resultou numa pausa dos ensaios clínicos. 2

As reações adversas são consideradas reações medicamentosas causadas diretamente por uma vacina, ao passo que um efeito secundário é uma reação física a um medicamento. O relatório preliminar sobre a vacina publicado no The Lancet revelou resultados geralmente bons em termos de efeitos colaterais, mas houve algumas reações adversas preocupantes.

Houve um caso de anemia hemolítica e três casos de mielite transversa – uma condição em que há inflamação da medula espinhal – em pessoas que receberam a vacina.

Foi determinado que essas doenças provavelmente não foram causadas pela vacina, de acordo com o relatório do ensaio. Uma série de mortes também foi relatada no grupo de estudo, mas essas mortes não foram relacionadas com a vacina e foram devido a incidentes como acidente de trânsito e homicídio. 2

Financiamento e Desenvolvimento

A vacina foi desenvolvida por meio de uma parceria entre a Universidade de Oxford e a AstraZeneca. O apoio financeiro para o estudo também foi fornecido pelo departamento de Pesquisa e Inovação do Reino Unido, a Fundação Bill e Melinda Gates, o NIHR Oxford Biomedical Research Center e a Rede de Pesquisa Clínica NIHR de Thames Valley e South Midland.

Referências:

  1. Universidade de Oxford. About the Oxford COVID-19 vaccine. Atualizado a 9 de junho de 2020.
  2. Grupo de testes da vacina COVID de Oxford. Safety and efficacy of the ChAdOx1 nCoV-19 vaccine (AZD1222) against SARS-CoV-2: an interim analysis of four randomised controlled trials in Brazil, South Africa, and the UKLancet. Atualizado a 8 de dezembro de 2020
  3. AstraZeneca. FDA authorizes restart of the COVID-19 AZD1222 vaccine US Phase III trial. Atualizado a 23 de outubro de 2020.
  4. ClinicalTrials.gov. A Study of a Candidate COVID-19 Vaccine (COV003). Atualizado a 27 de novembro de 2020.
  5. Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos. Vaccine Types. Atualizado em março de 2020.
  6. Notícias Quimícas e de Engenharia. Adenoviral vectors are the new COVID-19 vaccine front-runners. Can they overcome their checkered past? Publicado a 12 de maio de 2020.
  7. Reuters. Fortune or foresight? AstraZeneca and Oxford’s stories clash on COVID-19 vaccine. Publicado a 3 de dezembro de 2020.
  8. AstraZeneca. AZD1222 vaccine met primary efficacy endpoint in preventing COVID-19. Atualizado a 23 de novembro de 2020.
  9. Zimmer C, Robbins R. What we know about astrazeneca’s head-scratching vaccine resultsThe New York Times. Atualizado a 24 de novembro de 2020.
243d688c67fdb7236b49aa0327229cae?s=96&d=wavatar&r=g
Emilia
Olá! O meu nome é Emilia. Sou a fundadora do Guia da Saúde e a pessoa responsável por colocar no website os artigos de informação criados pela nossa fantástica equipa de médicos, nutricionistas, fisioterapeutas e personal trainers. Em conjunto, temos largos anos de experiência que pomos em prática para lhe disponibilizar as melhoras dicas possíveis nos mais diversos tópicos de saúde.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Segue-nos nas redes sociais:

4,045FãsCurtir
46SeguidoresSeguir